sábado, 9 de junho de 2012

DE MULHER PRA MULHER...

As mulheres não precisam ser delicadas, sensíveis e submissas; somente com issso não se constrói uma mulher. A imposição de um gênero nos rotula como sexo frágil; podemos em maioria, nos termos físicos, sermos menos dotadas de músculos e ter ossos mais leves que os dos homens. Entretanto, força não é um atributo somente do físico. A natureza nos tornou resistentes e capazes, a vida nos torna, rotineiramente, mais inteligentes, habilidosas e destemidas. 
_Você não faz parte do grupo que não dá conta, você não faz parte do grupo que é obrigado a aceitar as adversidades da vida. Você não faz parte do grupo que aceita ser dominado e que abaixa a cabeça pra violência e para a discriminação.
_ Não estou dizendo que sua vida é ou será fácil, pois suas lutas e seus esforços precisam ser cada dia maiores. Estou dizendo que você nunca deve desistir!
E digo mais: _ Você precisa se treinar todos os dias para dar conta e você vai dar conta!
 _ É você quem carrega sua história, é você quem carrega suas dores, é você quem carrega seus filhos, seus problemas e também suas soluções. É você quem tem a obrigação de honrar o seu 'ser mulher'. 
_ Acredite: Não há nada que impeça você de vencer e você irá vencer! 
 Autora: Tânia B. Teodoro   -  Junho/2012
 
MULHERES e MENINAS 
NA LUTA CONTRA A 
DESIGUALDADE DE GÊNERO
 
"As diferenças entre homens e mulheres não são somente da natureza biológica do sexo, mas também de ordem social, cultural do gênero, que designa o que é ser homem ou mulher em determinada sociedade e em determinado momento histórico. O termo sexo designa as características anatomofisiológicas das pessoas e o gênero é um conceito cultural vinculado à forma como a sociedade constrói as diferenças sexuais e atribui um status diverso a homens e mulheres.  As relações sociais são constituídas tendo como base as diferenças de gênero, cujas principais características se manifestam nas relações de poder. Na sociedade brasileira, homens e mulheres ocupam lugares distintos e os primeiros detêm maior hierarquia. A distinção entre sexo e gênero é necessária para não se atribuir à natureza aquilo que é construído pela sociedade". Artigo: Violência entre namorados na adolescência. Autora: Stella R. Taquett. Disponível em: http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=24

Resumo: O conceito de gênero não trata apenas da questão biológica: homem x mulher/macho x fêmea (sexo). O conceito de gênero engloba aspectos culturais e sociais. A desigualdade de gênero se refere, então, à maneira como uma determinada cultura e prática social foram desenvolvidas de forma a empoderar um determinado sexo e suplantar o outro. No caso brasileiro, a mulher não sofre preconceito ou é discriminada simplesmente por ela ser mulher, biologicamente falando. A mulher no Brasil é vítima de desigualdade porque não se submete à cultura patriarcal que a considera como um ser sensível, delicado, totalmente submisso ao homem e incapaz de progredir sem a figura masculina. Por buscar ter os mesmos direitos e oportunidades que os homens é que a mulher é vitimada socialmente. Autora: Tânia B. Teodoro. Junho/2012.

Eu era a Eva
Criada para a felicidade de Adão
Mais tarde fui Maria
Dando à luz aquele
Que traria a salvação
Mas isso não bastaria
Para eu encontrar perdão.
Passei a ser Amélia
A mulher de verdade
Para a sociedade
Não tinha a menor vaidade
Mas sonhava com a igualdade.
Muito tempo depois decidi:
Não dá mais!
Quero minha dignidade
Tenho meus ideais!
Hoje não sou só esposa ou filha
Sou pai, mãe, arrimo de família
Sou caminhoneira, taxista,
Piloto de avião, policial feminina,
Operária em construção ..
Ao mundo peço licença
Para atuar onde quiser
Meu sobrenome é COMPETÊNCIA
E meu nome é MULHER !!!
(Autor: Desconhecido) 

Nenhum comentário:

Pesquise aqui...


“Como professor, não me é possível ajudar o educando a superar sua ignorância, se não supero permanentemente a minha”. Paulo Freire