quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

"O negro rejeita a piedade e o filantropismo aviltantes e luta pelo seu direito ao Direito".

Foto divulgação

 
Por: Juliana Lino
 
*****Desde Chica da Silva, a escrava que se tornou senhora, negros vêm sendo motivados a agir e parecer brancos. O Brasil teve até mesmo um processo de branqueamento após a abolição (eugenismo), quando o governo pagou europeus (alemães, italianos, etc) para imigrarem ao Brasil – com o objetivo de clarear os genes e a cultura, assim tornando o país mais “civilizado”.

 
Nos anos 30, essa prática perdeu força, graças a Gilberto Freyre e outros ativistas que defendiam as contribuições dos negros à sociedade. Freyre rompeu com a visão tradicional das relações raciais e propagou a ideia de que no Brasil existia uma democracia racial, ” Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando não na alma e no corpo, a sombra, ou pelo menos a pinta, do indígena e/ou do negro.” Freyre realmente acreditava que a sociedade brasileira estava mais evoluída do que outras nações ao lidar com questões de raça e ele via nosso país como um paraíso multi cultural.

 
No entanto, a realidade é bem mais complexa e menos romântica. Ainda hoje, as novelas mostram apenas um ou dois personagens negros – raramente protagonistas. Cabelos alisados são os favoritos entre as mulheres, e é aceitável dizer que cabelo enrolado, crespo ou de “preto” é ruim. Mesmo a atriz Zezé Mota, que interpretou Chica da Silva no cinema, e chegou ao estrelado, admite que até muito recentemente, no Brasil, negros eram considerados feios.
 
Eu sei que é difícil aceitar que racismo existe no Brasil, mas não como nos EUA, onde há segregação e animosidade entre as raças.
 
Salvador, a cidade mais negra do Brasil, nunca teve um prefeito negro. Onde estão as super models negras do Brasil nas capas da Vogue? Ou as poderosas blogueiras de moda e beleza, formadoras de opinião, da raça negra?
 
Pode-se alegar que isso ocorre no Brasil devido à desigualdade social, pois negros, em sua maioria, possuem menor poder aquisitivo. A desigualdade na representação dos afro-brasileiros na mídia e na sociedade também contribui para este fato. Ao ir à Cidade de Deus, você irá notar que a pequena minoria de brancos de lá vivem melhor do que a imensa maioria negra. Negros ricos ainda são mal tratados no Brasil, um dos maiorias ativistas brasileiros, Abdias Nascimento, clama que a democracia racial no Brasil é uma grande piada, uma grande mentira.
 
Crescendo no Brasil, eu ouvi piadas de preto, assim como de português ou de loiras e sempre achei graça de todas – nunca me considerei racista. Como poderia? Eu mesma sou mestiça, descendente de portugueses, índios e negros. Mas confesso que minha vida foi mais fácil do que a do meus primos, que são mais mulatos. Por ser branquinha, meus professores na escola pública assumiam que eu era mais bem comportada e mais inteligente e me tratavam melhor. Quando tinha 16 anos e tentei conseguir um emprego na telefônica, eu fui selecionada, enquanto minha prima e melhor amiga, Érica, que tinha curso de computação e datilografia que eu não tinha, ficou para trás. Também sempre ouvia que tinha cabelo “bom”.
 
Mesmo assim, eu morria de vontade de ter os cabelos cacheados da Érica e fazia, sempre que tinha oportunidade, mil trancinhas para que eu pudesse acordar com os cabelos frizados. Cabelo cacheado é bom sim! E é com lágrimas nos olhos que eu escrevo que não é justo que cabelos crespos, cacheados e enrolados sejam vistos como inferiores. É com lágrimas nos olhos que eu relato que fiquei muito ofendida de ver esta blogueira proclamar que tem cabelos lisos, e consequentemente bons. É uma ofensa a mim, a minha família mestiça, as pessoas que amo que são da raça negra e que merecem mais espaço e respeito no Brasil e no mundo.
Quase todo brasileiro é mestiço, quase todos devem ter alguma porcentagem de índios, europeus, asiáticos e negros – geneticamente o Brasil é uma democracia racial, quem sabe um dia essa mistura estará refletida de forma justa em todas as camadas da sociedade?*****

Esse conteúdo é parte do artigo "Controvérsia: “Meu Cabelo é Bom” - de Juliana Lino. Clique no link a seguir para ler o artigo completo.
http://www.produtosdebeleza.com/controversia-meu-cabelo-e-bom.html#ixzz2GCVK4u6Q
1ª Barbie Negra - Criada na década de 80
 
"Cozinhou-se, assim, uma espécie de conserva do problema do negro, sob o pré-julgamento de que ele se organizando quer se separar do branco, quer guerrear o branco, quer criar um preconceito racial inexistente entre nós". Abdias do Nascimento


Clique no link a seguir e leia o interessante texto de Abdias do Nascimento sobre o jornal "Quilombo". http://www1.folha.uol.com.br/livrariadafolha/920231-leia-texto-de-abdias-do-nascimento-sobre-o-jornal-quilombo.shtml

POR QUE EXISTEM CABELOS CRESPOS E LISOS?


 Imagem disponível em: http://favelafina.blogspot.com.br/2012/08/em-terra-de-chapinha-quem-tem-cachos-e.html

Conhecido como a moldura do rosto, os cabelos são estruturas produzidas por células de nossa pele e dependendo da natureza genética de cada um apresenta-se liso, crespo, cacheado, louro, castanho ou ruivo entre outras características. É, principalmente para as mulheres, uma estrutura que dispensa muitos cuidados, pois é entendido como um dos sinais de beleza.

Apesar de ter constituição determinada geneticamente, pode ter sua estrutura modificada a partir de processos químicos que alteram sua constituição transformando o cabelo crespo em liso, liso em crespo, preto em louro etc. Isto tudo é possível porque o cabelo é basicamente constituído de uma proteína chamada alfa-queratina que é produzida a partir de uma espécie de “bolsa” existente na epiderme chamada folículo piloso.

Em cada fio de cabelo há milhares de cadeias de alfa-queratina, que possuem átomos de enxofre. Quando dois destes dois átomos de enxofre se juntam, eles formam uma ligação de dissulfeto. Quanto maior o número dessas ligações, mais crespos os cabelos serão, e quanto menos ligações, mais lisos.

Como podemos ver, com a utilização de produtos que promovam reações químicas na queratina do cabelo (unir ou separar as ligações de enxofre), é possível fazer as modificações da estrutura do cabelo que já está crescido, mas não devemos esquecer o cabelo sempre vai ser produzido de acordo com a informação genética que a pessoa possui.

TRANÇAS MASCULINAS: CABEÇA FEITA DE ACORDO COM O SEU ESTILO


Fonte: http://www.pontoxp.com/trancar-cabelos-masculinos-como-fazer-tranca-em-cabelo-de-homem/

 

Olhos Coloridos - Sandra de Sá 

Os meus olhos coloridos
Me fazem refletir
Eu estou sempre na minha
E não posso mais fugir...
Meu cabelo enrolado
Todos querem imitar
Eles estão baratinado
Também querem enrolar...
Você ri da minha roupa
Você ri do meu cabelo
Você ri da minha pele
Você ri do meu sorriso...
A verdade é que você
(Todo brasileiro tem!)
Tem sangue crioulo
Tem cabelo duro
Sarará, sarará
Sarará, sarará
Sarará crioulo...
Sarará crioulo
Sarará crioulo...(2x)
Os meus olhos coloridos
Me fazem refletir
Que eu tô sempre na minha
Não! Não!
Não posso mais fugir
Não posso mais!
Não posso mais!
Não posso mais!
Não posso mais!
Meu cabelo enrolado
Todos querem imitar
Eles estão baratinados
Também querem enrolar...
Cê ri! Cê ri! Cê ri!
Cê ri! Cê ri!
Cê ri da minha roupa
Cê ri do meu cabelo
Cê ri da minha pele
Cê ri do meu sorriso...
Mas verdade é que você
(Todo brasileiro tem!)
Tem sangue crioulo
Tem cabelo duro
Sarará, sarará
Sarará, sarará
Sarará crioulo...
Sarará crioulo
Sarará crioulo...(3x)
Tranças masculinas. (Foto divulgação)

Tranças masculinas. (Foto divulgação)Tranças masculinas. (Fotos de divulgação)APRENDA A FAZER TRANÇAS MASCULINAS
- O texto e as imagens abaixo pertencem ao site: http://www.mulherbeleza.com.br/cabelos/trancas-masculinas-como-fazer/

Passo a passoTranças masculinas. (Foto divulgação)Tranças masculinas. (Foto divulgação)

  1. Lave bem os cabelos horas antes.
  2. Deixe secar bem.
  3. Com um pente ou escova apropriado para seu cabelo, desembarace os fios e separe as mechas.
  4. Para ficar mais fácil divida o cabelo em 3 partes. Depois divida cada parte separadamente em 5 partes. Se você tem muito cabelo divida em mais partes. Caso queira as tranças mais grossas divida em menos partes. Tudo depende de quanto cabelo separar e quantas partes dividir. O modelo tradicional é feito de mechas com pouco cabelo para dar aspecto de tranças fininhas.
  5. Utilize um palito para cabelos para auxiliar a separar e a trançar. Penteie várias vezes com o pente fico para soltar bem os fios e a trança não ficar com uma aparência feia.
  6. Com a mão firme trance os cabelo bem forte e próximo ao couro cabeludo. Vá apertando conforme for trançando.
  7. Prenda com um lacinho de silicone transparente ou da cor do seu cabelo Se quiser deixar o visual mais divertido use amarras coloridas.
  8. Como as tranças não não definitivas depende do seu cuidado e da forma que fizer para que elas durem.
  9. Aplique um spray fixador para maior durabilidade.
 
 DICAS

  • Não faça tranças com o cabelo molhado. Isso facilita a oleosidade e a chance do cabelo ficar fraco e quebradiço. Além disso cabelos úmidos favorecem o crescimento de caspas ( fungos) e infecções.
  • Não deixe de lavar os cabelos. As tranças podem favorecer o mau cheiro! Lave com cuidado, use shampoo em grande quantidade e água corrente em abundância para enxaguar.
  • Faça sempre uma manutenção das tranças. É necessário trançar os fios novamente sempre que a trança ficar desfiada.
  • Cuide bem dos fios com hidratações e produtos que atendem a necessidade de seus cabelos.
Tranças masculinas. (Foto divulgação)Tranças masculinas. (Foto divulgação)
Tranças masculinas

“todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado”. (C.F.1988)

Acesso à Informação no Brasil
 
A Lei nº 12.527, sancionada pela Presidenta da República em 18 de novembro de 2011, tem o propósito de regulamentar o direito constitucional de acesso dos cidadãos às informações públicas e seus dispositivos são aplicáveis aos três Poderes da União, Estados, Distrito Federal e Municípios.
  
A publicação da Lei de Acesso a Informações significa um importante passo para a consolidação democrática do Brasil e também para o sucesso das ações de prevenção da corrupção no país. Por tornar possível uma maior participação popular e o controle social das ações governamentais, o acesso da sociedade às informações públicas permite que ocorra uma melhoria na gestão pública.
 
 No Brasil, o direito de acesso à informação pública foi previsto na Constituição Federal, no inciso XXXIII do Capítulo I - dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos - que dispõe que:
“todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado”.
 
A Constituição também tratou do acesso à informação pública no Art. 5º, inciso XIV, Art. 37, § 3º, inciso II e no Art. 216, § 2º. São estes os dispositivos que a Lei de Acesso a Informações regulamenta, estabelecendo requisitos mínimos para a divulgação de informações públicas e procedimentos para facilitar e agilizar o seu acesso por qualquer pessoa. 
 
 
PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL
 
O Portal da Transparência do Governo Federal é uma iniciativa da Controladoria-Geral da União (CGU), lançada em novembro de 2004, para assegurar a boa e correta aplicação dos recursos públicos. O objetivo é aumentar a transparência da gestão pública, permitindo que o cidadão acompanhe como o dinheiro público está sendo utilizado e ajude a fiscalizar.
  
O Governo brasileiro acredita que a transparência é o melhor antídoto contra corrupção, dado que ela é mais um mecanismo indutor de que os gestores públicos ajam com responsabilidade e permite que a sociedade, com informações, colabore com o controle das ações de seus governantes, no intuito de checar se os recursos públicos estão sendo usados como deveriam.
Fonte:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12527.htm
 fotografias,homens,jornais,lazer,leituras,mensagens,pessoas



SAIBA MAIS...

 
LEI nº 12.527 -  LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12527.htm
 
ACESSO À INFORMAÇÃO - CGU
PORTAL TRANSPARÊNCIA - GOVERNO FEDERAL
http://www.portaltransparencia.gov.br/sobre/

TRANSPARÊNCIA BRASIL -  ORG

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

"Não adiar nada, é o melhor segredo de quem conhece o valor do tempo. Quando deixamos alguma coisa para amanhã, não pensamos que cada dia e cada hora traz uma nova tarefa." Edward Laboulaye

businesses,businessmen,businesswomen,clocks,colleagues,concepts,deadlines,females,groups,hiding,iCLIPART,males,people,Photographs,schedules,studio shots,studios,times,waiting,women
"O tempo pode ser um aliado nosso, ou não, porque além de tudo depender de como planejamos, tudo, também, se esbarra no imprevisível". Tânia B. Teodoro
 
"Afirmam que a vida é breve. Engano, a vida é comprida.Cabe nela amor eterno e ainda sobeja vida." António Tomás Botto

Especialização em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça a Distância 2013

celebrações,crianças,famílias,festividades,Fotografias,garotas,garotos,homens,kinaras,Kwanzaa,leituras,livros,mães,mishumaa saba,mulheres,ocasiões especiais,pais,pessoas,velas
 
A UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB), por meio de sua Faculdade de Educação em parceria com o Ministério da Educação (MEC), através de sua Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI), torna público o Processo Seletivo de Candidatos/as para o curso de Especialização em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça, para o ano letivo de 2013 até o primeiro semestre do ano de 2014, a ser realizado na modalidade a distância/semipresencial na Faculdade de Educação, da Universidade de Brasília. O objetivo do curso GPPGeR é capacitar profissionais para atuarem no processo de elaboração, aplicação, monitoramento e avaliação de projetos e ações de forma a assegurar a transversalidade e a intersetorialidade de gênero e raça nas políticas públicas. A meta é que a Administração Pública, em seus diferentes setores federal, estadual, distrital e municipal, desenvolva instrumentos para transformar as ações estatais e as políticas públicas com a equidade de gênero e raça em ações permanentes e sistêmicas incorporadas à sua agenda.

As inscrições serão realizadas on-line no período de 01 de dezembro de 2012 a 10 de dezembro de 2012 até às 23h59min, no endereço eletrônico: http://gppger.fe.unb.br

sábado, 1 de dezembro de 2012

Prêmio “Mulheres Negras Contam sua História”

Flor composta de padrões preto e brancoComeçou  no dia 21/nov. e vão até o dia 25 de janeiro de 2013, as inscrições para o prêmio "Mulheres Negras contam sua História" que vai premiar cinco redações com valores de R$ 5 mil e cinco ensaios com R$ 10 mil reais.
  
Lançado na segunda-feira (19/11), véspera do Dia da Consciência Negra, a chamada pública tem por objetivo conhecer as trajetórias das várias afro-brasileiras que ajudam a escrever a história do país. O prêmio é uma iniciativa da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM) em parceria com a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - SEPPIR e, segundo a ministra da pasta, Eleonora Minecucci, oferecerá subsídios para a elaboração de políticas públicas voltadas para esse público.

Para a ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros, o prêmio é uma oportunidade importante de conhecer a história de anônimas, cuja vida tem extrema importância, e o material colhido vai além da possibilidade de conhecê-las. “É um ponto de partida para avançarmos no enfrentamento ao racismo e sexismo e respondermos a uma demanda do governo que quer que as mulheres tenham oportunidade de se expressar e fazer com que essa luta seja cada vez mais essencial para a democracia do país”, afirmou.

Podem se inscrever mulheres autodeclaradas negras que queiram contar suas histórias através de redações com 1.500 a 3.000 caracteres, que poderão ser premiados com o valor de R$ 5 mil. Ou ainda, através de ensaios que tenham de 6.000 a 10.000 caracteres e que receberão R$ 10 mil. Em ambas as categorias serão premiadas cinco narrativas.

As inscrições devem ser feitas através do e-mail premiomulheresnegras@spmulheres.gov.br, ou pelo correio, enviando para o endereço: Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República - Praça dos Três Poderes, Via N1 Leste, s/n Pavilhão das Metas. CEP 70150-908 Brasília - DF.

As vencedoras serão premiadas em cerimônia especial no dia 08 de março de 2013, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher.
Padrões de preto e branco parecendo com uma flor

Pesquise aqui...


“Como professor, não me é possível ajudar o educando a superar sua ignorância, se não supero permanentemente a minha”. Paulo Freire